Valongo, 8 Novembro 2009

A chuva de "molha tolos" não nos deixou o dia todo. Será que aquela expressão era mesmo para nós?? De certeza que não ;)

Começamos por percorrer o corredor ecologico de Valongo, e daí fomos até Couce, aldeia até à reparação da estrada, quase que perdida no monte. Por vezes eramos seguidos ao longe por uma garça, o que até tinha imensa graça.

Muita conversa, do ambiente à politica nacional e internacional, até que começamos a subir. Assim sim, ficou toda a gente de boca aberta :OO!!! ... De ofegante...

A comprovar a imensa humidade que tem havido nestes ultimo dias, a serra estava repleta de cogumelos. Uns alucinogénicos, outros comestiveis (muito provavelmente), mas todos muito unicos.

Como não há subida que não leve a descida, logo de seguida ali estava ela. Dura, escorregadia, dificil, perigosa. Mas o caminho faz-se andando, passo a passo. Rapidamente estavamos junto ao rio, a desfrutar do almoço.

De volta ao caminho, sempre junto ao rio, chegamos a um aglomerado de xisto. Será que aqui há fosseis? Vamos procurar... Até que chega a nossa conhecedora na materia e dá-nos a noticia: aqui não há nada, só do outro lado da Serra :((.

Tinhamos agora que passar o rio Ferreira para o outro lado, sem ser a nado. Foi o dois em um. Passamos para o outro lado e fizemos um pequeno treino para a futura (?) travessia da linha em Barca de Alva: a linha do comboio.

Rapidamente estavamos de volta ao ponto inicial.

Seguimos então para o prometido magusto, na Santa Justa. As castanhas souberam a improviso, e a jeropiga a retempero. Que bem que souberam... Para o ano há mais...