Leiria, 17 de Junho de 2007

As nossas pegadas ficaram por lá…


Após 200 km de viagem, que á velocidade que foram percorridos e tendo em conta o tempo que demoramos a chegar ao destino, ninguém diria que eram tantos km, lá chegamos ao destino e ponto de partida das nossas caminhadas – Serra de Aires.

Iniciamos com 2 horas de caminhada (em circulo por sinal), e após estas achou-se por bem fazer um ponto da situação. Como é óbvio não estávamos perdidos, apenas achamos por bem experimentar outro percurso. Sim, porque ate esta altura uns acharam que tínhamos feito metade de um percurso (o que não deixou de ser verdade) e outros acharam que tínhamos andado a conhecer a pacata Aldeia de Bairro/Casal Farto (o que também não deixou de ser verdade).

Mas no final a decisão foi unânime, “Vamos parar para almoçar”, e para isso nada melhor que o coreto da aldeia ate porque nesta altura S. Pedro decidiu dar um ar de sua graça.

Já de barriga farta e café tomado aí sim era hora de começar (Ops, que dizer) continuar a nossa caminhada, e agora sim todos sabíamos que ia ser o percurso certo.

Um pequeno esforço e conseguimos chegar ao famoso “Alto da Lagoa”. Mas… “Onde está a lagoa?” e… “Aquilo nem sequer tinha rãs!”… Calma. Tudo isto tem uma explicação, na última semana estiveram temperaturas muito elevadas e o tempo esteve demasiado seco (para quem não se recorda choveu a “cântaros” a semana toda).

Mas como o que lá fomos fazer foi ver pegadas de dinossauro, lá continuamos o nosso percurso. Pelo caminho, tivemos direito a uma breve aula de agronomia (isto por que o Carlos ate percebe da coisa), e uma pequena visita pelas vinhas da região.

E aí chegamos ao destino (Pedreira do Galinha) e, posso-vos garantir que as pegadas existem mesmo. E nós estivemos lá para o comprovar e também deixar a nossa marca. O espaço é muito agradável e bem organizado e foram vários os dinossauros que encontramos por lá a passear, achamos que queriam lá deixar ficar as suas marcas e também tornarem-se famosos daqui a uns milhões de anos.

E mais uma vez passamos um domingo fantástico, cheio de boa disposição e rodeados por uma natureza magnífica. E ainda trouxemos como recordação alguns escaldões (mas não foi por falta de aviso).

Para os que ficaram em casa por medo da chuva, ou porque estavam lesionados, ou com alergias, ou com a desculpa de baptizados e de ter de estudar…não se preocupem que os Domingueiros vão continuar…

Até breve!