Ponte da Barca - Ermida, 9 Setembro 2006

À hora marcada, mais coisa menos coisa, lá estávamos no local combinado para mais um encontro depois das férias. E desta vez a um sábado, porque as férias são para serem levadas muito a sério e... sempre teríamos um domingo para fazer valer o nosso lema e deixar a preguicite tomar conta de nós.

Mas àquela hora da manhã de sábado, preguicite era palavra proibida.
Além disso, o sol decidiu contrariar todas as previsões e mandou a chuva e as nuvens darem uma curva.
Foi então, com toda a força e boa disposição, que nos fizémos à estrada em direcção a Ponte da Barca em busca do Trilho da Ermida.

Viaturas estacionadas, mochilas às costas, protector bem espalhado e chapéus na cabeça (porque nunca é demais lembrar e porque temos muito respeitinho pelo astro rei) e... pés ao caminho.

"O senhor sabe se o caminho é por ali?" - primeiro contacto com alguém da terra.
"É por aqui, mas é muito ruim a esta hora" ... ruim? RUIM? ele não nos conhece, definitivamente!!!
Se é por ali, então vamos! Sejam lá que horas forem!
De facto, de ruim pouco havia; caminho de pedras, a descer ligeiramente até chegar ao rio. Humm... som de água a correr, uma lagoa apetecível... dava vontade de ficar por ali... mas ainda não, a água estava muito fria.
A subir, sempre a subir, acompanhados de vegetação rara e baixa, muuuuitos saltaricos (apelidados geralmente de gafanhotos) e o calor a apertar, sentimos que, afinal, o ruim era agora! (poderíamos deitar as culpas nas férias???!!!)
Ao chegar à aldeia, a sombra das videiras esperava por nós e a fonte de água fresca era a atracção principal.
E foi mesmo debaixo da sombra das videiras que o almoço se passou, quase em silêncio. (as férias fizeram mesmo mal... ou bem?). Completamente relaxados e quase a dormir, fomos subitamente despertados pela nossa amiga Harley Vaca Davidson, que parou para nos cumprimentar e tentar fazer-nos sentir culpados por termos entrado em propriedade alheia. Com o seu badalo lá se rendeu aos nossos encantos e foi à sua vida... atarefada!!!

E depois foi sempre a descer pelas pedras do caminho com destino ao rio. (isto era o "ruim"! era era!)... e os saltaricos a descerem connosco.
E porque é sempre bom ficar um pouco a ouvir os sons da Natureza, o merecido descanso e banho (só para alguns) fez-se com mais algum silêncio (ai as férias...).

Foi difícil arrancar dali. Arrancar é a palavra certa... já estávamos a criar raízes na água, ou pelo menos vontade não nos faltava!
E ainda estava para vir a hora do cafezinho final... o sagrado cafezinho... que para não ser diferente das outras pausas, também se passou a maior parte em silêncio, num lindo jardim em Ponte da Barca mesmo junto ao rio.
Começámos então a planear a próxima aventura e espantámos a preguiça. A foto de grupo bem animada também não podia faltar... para mais tarde recordar!

Beijinhos a todos e boas aventuras ;)