Castro Laboreiro, 4 Junho 2006

ENCONTRO:
- Bom dia.
Logo de manhã cedo, as primeiras palavras e a boa disposição presente a manifestar-se. As caras, essas, conhecidas de alguns e desconhecidas de outros… mas que brevemente passou a pormenor a questão – a meio da manhã já todos sabiam os nomes uns dos outros (+-) e interagíamos: afinal não eram 8 mas 17 km que iríamos caminhar (Ui!), fomos enganados!


CHEGADA A CASTRO LABOREIRO:
Pusemos as mochilas às costas, o protector solar, o chapéu. Um medo perseguia-nos – será que vai estar muito calor?
Lá fomos a caminho tirando primeiro a foto da praxe, coubemos todos.
Tínhamos um longo percurso pela frente.

ALMOÇO:
Após vários "stop & go" à conta do calor, que afinal até nem foi muito para já, chegamos ao local escolhido para comer. O nosso "restaurante" era um espectáculo: uma ponte Românica como tecto, uma sombra fresquinha, um riacho delicioso, boa disposição, música de fundo (água e passarinhos a cantar). Perfeito!
Houve mesmo quem tivesse coragem e tomado um rico banho.

RETOMA DO CAMINHO:
Agora sim, o calor apertou. Agarramo-nos à água, seguimos as pistas. Passamos por aldeias, retocamos o protector solar, enchemos as garrafas e claro não faltou o "splash"- encharcar os outros!
Enfim chegamos ao Bico do Patelo, todos esfarrapados, mas só por causa do calor, que nós aguentamos os km! E foi altura de regressarmos aos carros.

CAFÉ DA ALDEIA:
Uf! Que calor.
Refrescamos corpo e ideias: - Que tal uma ida de bicicleta a Espinho?
Para quando a próxima caminhada?
Cansaço? Qual quê?!
O pessoal estava com vontade de repetir a dose!

O REGRESSO A CASA:
Houve quem dormisse com o embalar das curvas. Despedimo-nos a meio do caminho – beijinhos a todos…

- Foi bom não foi?
- Até à próxima…