Piodão, 6-7 Maio 2006

Após uma paragem na Mealhada, confusão de autocarros com turistas, carteiras roubadas, tanto sono…, uma viagem calma na companhia de outros caminhantes embora com objectivos bem diferentes (ou não…). Isto se exceptuarmos a manobra pouco ortodoxa do condutor da caravana para evitar a vergonha de reconhecer que não conhecia o percurso tão bem como dizia.

O Parque de Campismo (um pouco frio, bom para holandeses) foi o ponto de partida para a serra. A desolação da serra, despida pelos incêndios, foi cortada pela vista magnífica do Piódão com as suas casas de xisto, cafés e vendas de “recuerdos” e licores variados (já lá iremos).

E finalmente, botas ao caminho…
e não digo mais nada. Quem quiser saber mais que apareça. Só isto: fizeram-se contas a quanto seria necessário para viver ali.

De regresso nada melhor que umas loiras fresquinhas (para os apreciadores), provas de licores (vários e bons) e umas comprinhas (poucas e baratinhas)…

E um jantar retemperador com arroz de pato aquecido (não havia para todos o que foi uma sorte) e nacos de vitela “estafada”. Mas com boa disposição, espírito de tolerância, boas entradas, doces sobremesas (além da ucraniana – não, não é uma sobremesa…) e um preço razoável, serviu perfeitamente as intenções. E o cão de Pardieiros agradeceu…

Depois. Bom, depois à conta dos licores (lembram-se?) as gargantas começaram a (des)afinar e era ver os Domingueiros a olhar para a lua, para as estrelas, para o copo(!!!) tudo acompanhado pelo som “melodioso” dos cantadores…

No domingo o objectivo era a Serra do Açor. Açores não sei se vimos. Pelos binóculos viam-se uns pássaros a voar lá muito no alto. Foram imediatamente identificados pelos nossos especialistas e jurado a pés juntos que estavam a acasalar (...os pássaros?). As lesmas talvez. Mas dessas não posso garantir nada. São demasiado rápidas…

E para terminar nada melhor que um mergulho (Nã!!! está fria…) na natureza selvagem da Fraga da Pena e um regresso ao contacto com a civilização. Como é habitual nestas coisas ainda não nos tínhamos separado e já estavam todos a fazer planos para a próxima caminhada (falta muito?)

Estou a ficar Domingueirodependente. Ainda bem…