Caramulo, 16 Outubro 2005

O que dizer da caminhada da Penoita?
Chegados a Vouzela, depois de uma falsa partida lá encontramos o local de arranque da nossa caminhada, no parque de merendas da Mata da Penoita, paisagem deslumbrante já toda pintada de Outono onde ponteavam alguns cogumelos vermelhos com pintinhas brancas, conhecidos por “amanita-mata-moscas”, uma espécie venenosa. (não digam que não fiz investigação).
Seguimos em direcção a aldeia de Covas passando pelo Dólmen da Malhada do Cambarinho. Antes de chegar à aldeia pausa para almoço, onde o grupo reflectiu sobre o sentido da vida e chegou à conclusão que o melhor era irmos ao Batô (temos que marcar, parece que agora a festa do pessoal dos anos 70 passou para a 1ª quinta-feira de cada mês).
Lá continuamos, em Covas foi decido unanimemente! Fazer um dos já famosos Up-Grade desta vez ao Menir do Bicão dos Conqueiros, e meus amigos valeu a pena porque os Domingueiros nunca tinham visto tamanha……pedra!.
Bem recompostos de tal visão, prosseguimos o circuito, passando pela Aldeia de Adeamo e por alguns caçadores. Foi então que encontramos a Dona Elvira, senhora fantástica, trajava de preto, e do alto dos seus muitos anos nos deu a visão do que é viver no Portugal rural.
Já na parte final do circuito e embrenhados de novo na Mata da Penoita o grupo decidiu aumentar o ritmo o que levou o João e a Ana a ficarem momentaneamente perdidos, o que lhes valeu foi o choque tecnológico, sim é verdade se não fosse o GPS do João, ainda hoje poderiam estar perdidos! (há quem diga que o João deitou o GPS fora!)

Saudações Domingueiras.